O futuro é desenvolvedor!

Por Rogério Lima — Especialista em RH e pesquisador em ciência de dados, matemática e estatística aplicada

O crescimento acelerado dos mais diversos tipos de tecnologias e o mercado cada vez mais carente de profissionais preparados para as transformações digitais, possuir competências de programação e desenvolvimento tornou-se um grande diferencial.

Dentro do contexto organizacional contemporâneo, as diversas áreas do negócio das organizações necessitam analisar e tratar grandes volumes de dados, a fim de identificar padrões e tendências que possam ser traduzidas em soluções, produtos e serviços para o negócio das organizações.

Sendo assim, em tempos de Big Data e Data Science, o conhecimento de programação deixou de ser exclusividade dos profissionais da área de TI e passou a ser uma necessidade também para os profissionais das diversas áreas de negócio das organizações.

Existe um consenso comum que o conhecimento e habilidades de desenvolvedor/programador é uma necessidade do futuro. Para Gama (2018), o futuro é hoje, onde destaca as principais competências e habilidades necessárias para os profissionais que desejam adquirir conhecimentos de desenvolvedor/programador.

Conforme Gama (2018), programar exige conhecimento de lógica e números, além de muito estudo para se manter atualizado. Na era da informação e a facilidade de acesso ao conteúdo, na internet é possível encontrar uma infinidade de informações sobre o tema, tais como: vídeos, grupos de discussão, páginas de comunidades, além de uma série de cursos, que são obrigatórios para quem deseja adquirir ou atualizar o conhecimento.

É importante destacar que além de buscar conhecimento nos cursos de formação, o profissional desenvolvedor deve viver em comunidade e trocar experiências na prática, participando de eventos e projetos promovidos pelas instituições de tecnologia, tais como: meetups, hackathons, hackadojos, além de eventos como Campu Party por exemplo. (GAMA, 2018)

Para Gama (2018), a grande demanda pelos profissionais com competências de desenvolvedor e programação é explicada pelo surgimento das redes sociais que trouxeram uma grande quantidade de dados não estruturados, como imagens, textos e vídeos e também pela democratização da computação em nuvem, que promoveu acesso democrático a internet e a popularização dos smartphones, gerando assim uma infinidade de dados.

Gama (2018) destaca que na parte técnica, existe a necessidade de o profissional desenvolvedor/programador estudar estatística, Python, Node.js + Angular + NoSQL, REST API, C, Scala e R, além de buscar aprender as aplicações práticas de tecnologias: como Spark, Hadoop, Map Reduce e Elastic Search e também buscar conhecimentos de MQTT, microcontroladores e microprocessadores, como Raspberry PI e Arduino, para os profissionais que pretendem atuar em projetos de automação ou indústria 4.0.

É importante destacar que existe a necessidade de o profissional determinar em qual área de desenvolvimento pretende atuar ou saber identificar qual é a sua necessidade de aplicação prática. Desenvolvedor front ou backend, com análise ou captura de dados? Pois, para cada uma destas funções é necessário um conjunto especifico de habilidades.

Fontes:
GAMA, Sergio. O futuro é desenvolvedor. Jornal o Estado de S. Paulo. Caderno: Carreiras & emprego. Domingo, 18 de fevereiro de 2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *